banner_940x145px_txt (1).png

A esquerda radical e seu ativismo em prol da pedofilia no Brasil


Erotização infantil, ideologia de gênero, relativação da pedofilia... Você já se perguntou porque a esquerda progressista  e radical no Brasil e no mundo está tão interessada em nossas crianças. No Brasil, a mostra Queermuseu, patrocinada pelo Santander Cultural em Porto Alegre mostrava a crianças gravuras com cenas de sexo explícito e zoofilia. Agora, no Museu de Arte Moderna de São Paulo aconteceu o absurdo dos absurdos: uma encenação artística em que uma criança tocava um homem nu. Veja na foto abaixo: 

Mas, porque a esquerda progressista brasileira e seus "artistas de vanguarda" estão tão interessados em expor conteúdo sexual às nossas crianças? A pergunta, sem parecer paranoico, está no marxismo cultural (sim, por mais que os alienados neguem, ele existe) que quer implantar uma nova ordem no Brasil e no mundo destruindo valores judaicos-cristãos ocidentais. E um dos valores mais perenes é a dita "família tradicional". Alienando e pervertendo as crianças de hoje, vamos ter adultos menos propensos a repetir os dogmas e valores que fizeram nossa sociedade chegar aonde chegou.

Ativismo pedófilo, uma realidade à esquerda - Atualmente, no Brasil, por meio do Ministério da Educação e Cultura, rios de dinheiro são investidos na elaboração de programas educacionais que levam a temática da Ideologia de Gênero para ser ensinada a creches de todo o país. Essa ideologia, a pretexto de combater a discriminação, oferece às crianças um leque de opções sexuais e orientações possíveis que chama de gêneros.

Hoje, na maioria dos países, a educação sexual é comum, embora a pedofilia seja oficialmente proibida. Um dos expedientes caros aos ativistas é a distinção, bastante arbitrária, entre pedófilos e abusadores de crianças. Segundo eles, há o pedófilo inofensivo que somente sente atração sexual por crianças mas não a pratica. Enquanto aos abusadores mantém-se a condenação penal, ao pobre pedófilo caberia tratamento, ajuda e toda a compreensão, cabendo inclusive, quem sabe, uma campanha de combate à discriminação contra ele.

O novo movimento pedófilo está hoje infiltrado nos movimentos LGBT por meio do “combate ao preconceito nas escolas”. Diante do preconceito sofrido por crianças com tendências homossexuais, sugere-se o ensino de todo tipo de prática sexual imaginável às crianças da mais tenra idade.

A mais conhecida teórica da Ideologia de Gênero, Judith Butler, porém, afirma que “gênero é o seu comportamento”, fazendo do conceito um tipo de cultura ou revolução comportamental. Ora, segundo ela, não há homens ou mulheres, mas simplesmente pessoas. A consequência lógica deste pensamento impõe que não exista nem mesmo preconceito e, no entanto, este é o conceito que está sendo utilizado para ensinar as crianças, a partir dos 4 anos, a explorarem seus corpos e os de seus colegas em busca de prazeres sexuais para, assim, definirem seu “gênero”.

A conceituação de Butler, se bem compreendida, já demonstra que não é o problema do preconceito que desejam resolver. É sabido pela psicologia que para mudar a mentalidade de alguém, basta mudar-lhe o comportamento, pois o indivíduo lutará para adequar o pensamento às ações praticadas anteriormente, de modo a reduzir a dissonância cognitiva. Portanto, a mudança da mentalidade é o alvo principal, fazendo de crianças e adolescentes militantes eficientes pela destruição de todos os padrões morais.

Ao contrário do que muitos podem pensar, a Ideologia de Gênero não torna as crianças homossexuais, mas as transforma em órfãos incapazes de perceber a realidade justamente porque habituam-se a adequá-la aos seus desejos e às ideologias do momento. Convertem as crianças a meros brinquedos de adultos.

Logo, amiguinho, não caia na falácia da esquerda de que está, com a ideologia de gênero e a exposição de crianças à sexualidade promovendo a inclusão. Na verdade, o que estão fazendo é propaganda pornográfica para despertar uma geração de crianças moralmente suscetíveis a todo o tipo de bestialidade. 

O pior disso tudo é que os "esquerdinhas de facebook", pensando estar fazendo justiça social acabam defendendo esta agenda de bestialidades, achando que são "defensores das minorias" quando, na verdade, estão sendo apenas massa de manobra para interesses escusos. Sei que serei atacado e chamado de um monte de coisa por conta deste post. Mas, ao contrário desta geração "mimimi" que teve a cabeça feita por professores de ensino médio maconheiros ou por professores universitários ativistas, penso fora da caixa. 

Observação: antes de se questionar se toda esta associação entre esquerda radical e ativismo pedófilo responda apenas às estas duas simples perguntas:

Já viu algum movimento de esquerda lutar contra a erotização infantil em bailes funks?

Sobre a cultura de estupro: já viu algum movimento de esquerda lutar contra a prostituição infantil nas estradas do nordeste?

Para entender mais sobre o ativismo pedófilo da esquerda no mundo, leia os artigos nos links abaixo: 

http://www.vistadireita.com.br/blog/breve-historia-do-ativismo-pedofilo/ 

http://www.gazetadopovo.com.br/rodrigo-constantino/artigos/esquerda-continua-com-sua-agenda-de-relativizar-a-pedofilia/


Visto em

© 2023 por André Luiz Cabral