Anarquinópolis, o retorno. Capítulo 1: O Estouro da Boiada

January 9, 2019

Sessenta anos após a derrocada do príncipe Filomeno, nosso eterno herói, Anarquinópolis vivia um novo tempo de prosperidade, amor, honestidade e firmeza, sob a égide de um novo príncipe-consorte (põe sorte nisso!). Dr. Bonitinho calças quadradas conseguira o que ninguém antes havia feito, colocou o Parlamento de joelhos, a mídia morreu de inanição com o corte de verbas publicitárias e o judiciário completamente cego. Não havia ameaças, opositores, nem mesmo preocupações no horizonte. Ao olhar para fora, Bonitinho enchia o peito e gabava-se de ter eliminado, uma a uma, todas as ameaças. Só esqueceu um detalhe: os verdadeiros inimigos não estavam mais fora, mas sim dentro!

 

Choveu como nunca havia chovido em Anarquinópolis. Em seu singelo sítio em Glicerópolis, o ex-príncipe Filomeno lamentava não poder mais dar nenhuma de suas festas de arromba (e arrombar) devido à interdição da estrada. Sim! Nosso ex-príncipe estava pobre. E agora ficava na bilheteria de suas próprias festas para pagar seu sustento! Descendo à ladeira, em Anarquinópolis, Dr. Bonitinho começava a enfrentar seus próprios demônios. Cansado de levar cascudos e enfrentar maridos raivosos, o menino Mané, vice-rei des-salariado resolveu dar no pé, fazendo o príncipe ficar refém do Parlamento. Afinal, bastaria um processo ou mesmo o motorista caolho errar uma curva para que o presidente do Parlamento virasse rei.

 

Para piorar, o rebanho que vivia em volta de Bonitinho começou a se revoltar. Era um tal de gado valente dando chifrada em outro, que até as bezerras estavam apanhando. Preocupado, pela primeira vez em tantos anos, Dr. Bonitinho resolveu pedir conselho a alguém. Pegou o telefone e ligou para serra!

 

  • Filomenão, tranquilo, como vai essa força. Tem como vir aqui no gabinete para a gente bater um papo - disse Dr. Bonitinho

  • Rapaz, a ponte caiu e estou sem gasolina para abastecer a caminhonete - escamoteou-se Filomeno.

  • Mando te pegar aí pelo lado isquerdo da serra - insistiu Bonitinho

  • Não me leve a mal, você é o príncipe agora e te desejo sorte. Mas a última vez que a gente conversou, você me deu um tapa no peito, disse “vamos trabalhar” e eu acabei ficando inelegível pelos próximos 200 anos. Quero distância de você!

  • Que isso, Filomeno! Somos amigos, esqueceu que estou tratando o AVC de seu pai? Só quero fazer uma pergunta.

  • Então faça por telefone mesmo

  • Ta bom. Como você conseguiu passar tanto tempo no poder sem surtar?

  • É simples, doutor. É só comprar muito, muito lubrificante a base de água

  • Pra que tanto lubrificante? - perguntou Dr. Bonitinho.

  • Acredite, doutor, você vai precisar!

 

Aguarde cenas dos próximos capítulos….

 

 

 

 

AVISO: "Anarquinópolis, o retormo" é uma novela, portanto, uma peça de ficção. Qualquer semelhança com personagens ou fatos da "vida real" não passará de mera coincidência. 

 

A novela é baseada no livro homônimo, "Crônicas de Anarquinópolis", publicado em 2016 por este blogueiro. O livro, pode ser comprado no site da editora LIVRORAMA 

 

 

 

Please reload

Destaques do Blog
Please reload

Visto em

© 2023 por André Luiz Cabral