Carapebus: Justiça Federal condena Eduardo Cordeiro a se afastar da vida pública



Condenado por fraude em licitação, numa contratação envolvendo a empreiteira Delta (aquela mesma do esquema de Sérgio Cabral), o ex-prefeito de Carapebus, Eduardo Cordeiro foi intimado pela Justiça Federal a se afastar da Prefeitura. O processo, aliás, já teve a sentença confirmada pelo Tribunal Regional Federal (TRF-2) e, por se tratar de condenação em segunda instância, o mesmo é suficiente para deixar o ex-prefeito inelegível pelos critérios da Lei de Ficha Limpa. No entanto, com o governo de sua esposa (e fantoche político) Cristiane Cordeiro em decadência, Eduardo insiste na farsa de que ele será candidato em seu lugar. Manobra considerada impossível na opinião dos juristas.


A decisão é referente a uma suposta fraude em licitação na obra da Estação de Tratamento de Esgoto do Ubás, quando ele ainda era prefeito. A obra, executada pela Delta (de Fernando Cavendish, empresário umbilicalmente ligado ao esquema do ex-governador Sérgio Cabral, hoje na cadeia) teve diversos vícios apontados à época pelo Ministério Público Federal. As obras, de R$ 3 milhões, foram executadas em limite muito superior ao estipulado para Tomada de Preços, além de o MPF alegar que foram feitos pagamentos à construtora em duplicidade (ou seja, a Delta teria sido contratada para realizar etapas das obras que já estavam prontas).


Mudança de planos — Em um blog ligado ao seu grupo político, Eduardo chegou a divulgar a farsa de que a esposa, Cristiane, iria renunciar ao cargo em abril para ele vir candidato. Porém, em virtude desta e de outras condenações que já estão perto do trânsito em julgado, o político mudou de plano e já trabalha com a hipótese de uma candidatura à reeleição da sua impopular esposa.


Quanto ao processo, Eduardo terá que ser exonerado do cargo de Secretário de Governo. Caso a prefeita não o exonere o Município vai pagar multa de R$1.000,00, por descumprimento. Eduardo está impedido legalmente de trabalhar na Prefeitura e também de ser candidato, uma vez que teve a perda da função pública. Ou seja, por um bom tempo terá que recorrer a "marionetes" caso continue querendo mandar em Carapebus.


Veja abaixo a íntegra da decisão:




Visto em

© 2023 por André Luiz Cabral