Marcel e Danilo Funke representam kit gay e ideologia de gênero em Macaé


Representes de partidos da extrema-esquerda os candidatos a deputado estadual Marcel Silvano (PT) e federal Danilo Funke (PSOL) tentam disfarçar. Mas, por estarem filiados e ligados até o tutano aos movimentos LGBT, eles são sim, representantes da agenda defendidas por este grupo. Uma destas agendas é o material "Escola Sem Homofobia", que ficou conhecido nacionalmente como "Kit Gay". O material foi aprovado pelo Ministério da Educação quando Fernando Haddad (candidato do PT e de Marcel) era o ministro.

Por meio de um convênio firmado pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), foi elaborado o material que seria distribuído às instituições de todo o país. Entretanto, uma polêmica impediu sua circulação. Em 2011, quando estava pronto para ser impresso, setores conservadores da sociedade e do Congresso Nacional iniciaram uma campanha contra o projeto. Nas acusações feitas, o "kit gay" era responsável por "estimular o homossexualismo e a promiscuidade." O governo cedeu à pressão e suspendeu o projeto, apesar da resistência dos partidos de Marcel (PT) e Danilo Funke (PSOL).

O material reforçava o tema da ideologia de gênero, que define que crianças não devem ser tratadas como meninos ou meninas. Têm que ser vistas como se tivessem "gênero neutro", até que escolhessem ser de fato do sexo masculino ou feminino. Uma das formas de reforçar a política de gênero seria fazer meninos e meninas participarem de dinâmicas onde utilizariam roupas e brinquedos do sexo oposto ao de nascença. Ainda sobre a administração de Haddad no MEC, o tema chegou a ser incluído no Base Nacional Comum Curricular, documento que orienta a pedagogia a ser aplicada em todas as escolas públicas e particulares do Brasil.

ONDE DANILO E MARCEL ENTRAM NISSO — O envolvimento dos dois com a pauta vai muito além da filiação partidária. Danilo Funke, inclusive, contribuirá com seus votos para a reeleição do parlamentar Jean Willys, seu companheiro de legenda. Nesta matéria que reproduzo abaixo, você pode ver que Jean acusa o governo federal de "Covarde" por ter cedido à pressão da bancada evangélica e da sociedade e ter suspenso a distribuição do KIT Gay (leia a matéria aqui)

Jean Willys, que é líder GLBT no Congresso deverá se eleger, contando com os votos de todos os candidatos a deputados federais do PSOL. Portanto, quem votar em Danilo, por tabela também estará votando em Jean e apoiando o kit gay.

Já Marcel, além de fazer campanha para Haddad, o autor de fato do Kit Gay, quando foi Ministro da Educação acabou votando, em Macaé, contra uma emenda do vereador Paulo Antunes (MDB) ao Plano Diretor, que proibiu o ensino de gênero nas escolas de Macaé (veja matéria aqui). Ao votar contra a emenda de Paulo Antunes, Marcel foi o único vereador da cidade a se posicionar a favor da Ideologia de Gênero na cidade.

Portanto, por mais que neguem, Marcel e Danilo são sim, representantes da ideologia de gênero na cidade, embora não tenham a coragem (ou honestidade) para assumir..,.

QUER CONHECER O MATERIAL? VEJA NESTE LINK


Visto em

© 2023 por André Luiz Cabral