Secretário deixa faltar de gaze a material cirúrgico na Saúde em Macaé


Anunciado como "a grande solução para o problema de desabastecimento na Saúde de Macaé", o secretário Gustavo Gusmão já está mostrando a que veio, ou menor, a que não veio. O advogado de carreira, cuja indicação foi avalizada pelo procurador de contratos Jean Vieira de Lima (iminência parda da administração municipal) assumiu em meio a uma crise, em parte, provocada pelo próprio setor burocrático do governo. Atrasos nos processos de compra (responsabilidade direta de Jean) fizeram faltar até Dipirona nas farmácias municipais. Como resultado, a então secretária Edelzita Lisboa entrou numa espiral de desgaste que culminou com sua exoneração.

No entanto, nem mesmo com um "peixe" nomeado na Saúde as coisas começaram a andar. Pelo contrário, relato de pacientes da rede pública de Macaé dão conta de que não estão conseguindo encontrar medicamentos contra epilepsia nas redes. No HPM e unidades de emergência a situação é ainda pior: falta de gaze a material cirúrgico.

Pelo visto, colocar um burocrata para tomar conta da saúde está dando tão certo quanto colocar um tecladista para tocar a administração pública...


Visto em

© 2023 por André Luiz Cabral