Anarquinópolis 2017 - Capítulo 8: entre o parlamento e a bicicleta...


PARTE 1 - PRÓLOGO

Há muitos anos atrás, muito antes de Dr. Bonitinho se tornar o príncipe consorte (põe sorte nisso) havia outra corte mandando em Anarquinópolis. Uma corte que era comendada, não pelo príncipe, na época nosso saudoso herói Filomeno, o Boneco de Olinda. Naquela época, quem mandava mesmo era os nossos honestos, honrados, e nada gananciosos Parlamentares. Cada um tinha um pedaço para chamar de seu: Dr. Malfadado Gorduroso mandava na saúde, Jorge Jardineiro no lixo (que magicamente virava ouro), Maquiavel Taz nas licenças ambientais, e por aí vai... O tempo passou e Dr. Bonitinho assumiu o trono, prometendo cortar a mamata desta gente toda. Mas, como em política promessa é dúvida, a coisa continuou mais ou menos como antes. Porém, estes parlamentares jamais experimentariam a generosidade e abundância dos tempos de Filomeno. Cada um continuou com seu pedaço. Porém, um pedacinho muito pequeno em relação ao que era antes...

Passou-se muito tempo, e Dr. Bonitinho, já príncipe reeleito, continuou a distribuir canetas. Porém, estas canetas estavam sem tinta. Como esposa que casa e continua "negando fogo" ao marido, o casamento do príncipe com o parlamento estremeceu. Porém, como o príncipe nadava de braçada na popularidade e sua imagem se santo era inabalável, os parlamentares não se atreviam a peitar. Porém, as coisas mudaram.

Uma baleia surgiu no governo. E, faminta, acabou chamando a atenção da mídia nacional. Acuado pelas denúncias, Dr. Bonitnho ficou, pela primeira vez sem o que fazer. E nem nos seus conselheiros: Gargamel e Olho Esquerdo (verdadeiros gênios da humanidade) ele confiava mais. O que fazer?

Pela primeira vez, nosso príncipe, via a possibilidade de perder o poder...

CONTINUA....

.... AGORA

PARTE 2 - A revolta

Oportunidade de ouro para quem, até agora, vivia apenas das migalhas do poder! Afinal, as denúncias transformariam o príncipe em um novo Filomeno? Acuado, Dr. Bonitinho, talvez, abriria as pernas para o parlamento. Afinal, quem enfrentaria as cobras defendendo o príncipe: Dr. Minion? Halls Maquiador? DownVel? Aham Manco? Beto Consignado? Não poderiam, coitados, nem fazer frente à uma bancada de velhas e felpudas balanças.

E a frágil base de defesa de Dr. Bonitinho logo foi caindo. Primeiro pelas conspirações, de Gargamel, que realizou encontros com os parlamentares e logo mandou fotos do mesmo para a oposição, depois pelas fofocas de "Caolho Esquerdo" que, manchado, colocou pilha no presidente do Parlamento contra os novatos parlamentares, que caíram feitos patos no discurso da oposição e de Danoninho Funke que saiu do banco para pressionar seu pupilo "DownVel" para largar a base de apoio. O próximo pato, ou melhor, parlamentar era Halls Maquiador, que tentou usar uma maquiagem de independe, mas, pilhado pelo presidente Dr. Malfadado, também foi para a oposição.

Dr. Minion, um dos poucos amigos do príncipe que restava, se sentiu cada vez mais sozinho vendo, um a um, cada parlamentar deixar o príncipe. E, às margens do Rio Esgotoé, ele sentou e chorou.

Na ante-sala do picadeiro, ou melhor, parlamento, as rapozonas comemoraram. "Agora ele faz o que a gente quer. Vou dobrar minha lista de cargos", festejou um dos mais gulosos.

Porém, eles não contavam com uma coisa: Dr. Bonitinho não estava nem aí para eles. Afinal, havia preocupações muito maiores do que uma dúzia de parlamentares revoltados.

- A vontade que eu tenho é de lavar este parlamento à jato. Afinal, meu ventilador tem o dobro do tamanho de todos eles juntos - disse Dr. Bonitinho, ao mandar um recado a todos os seu "animigos".

E, entre casar com o Parlamento ou comprar uma bicicleta, Dr. Bonitinho preferiu a bicicleta. E tome ciclofaixa!!!

Obs.: Anarquinópolis é uma obra de ficção. Portanto, qualquer semelhança com fatos ou pessoas da "vida Real" não passará de mera a infeliz coincidência...


Visto em

© 2023 por André Luiz Cabral